Setor segurador cresce dois dígitos pelo segundo mês consecutivo

Crescimento da arrecadação do setor já se encontra praticamente na média entre a projeção pessimista e a otimista para o ano de 2019

Em 2019, até agosto, o setor segurador repetiu um crescimento na casa de dois dígitos pela segunda vez seguida. A taxa avançou 11,5%, atingindo R$ 174,8 bilhões (sem Saúde e sem DPVAT) nos oito primeiros meses do ano, comparando-se ao acumulado de janeiro a agosto de 2018.

“Com esse resultado, o crescimento da arrecadação setorial já se encontra praticamente na média entre a projeção pessimista e a otimista para o ano de 2019 (5,3% a 8,7%)”, afirma Marcio Coriolano, presidente da CNseg, em editorial da nova Conjuntura CNseg.

 A receita de agosto, de R$ 23,9 bilhões, caiu 6,2%* sobre a de julho, mas registrou forte expansão de 13%, na comparação com agosto de 2018. Na média móvel dos últimos 12 meses encerrados em agosto, o setor de seguros avançou 6,9%, para R$ 258,9 bilhões.

Leia mais: CNseg lança glossário do seguro digital

Mais uma vez, a análise constata crescimento sem uniformidade entre as diversas carteiras de negócios, refletindo os efeitos do ciclo da economia e as preferências dos clientes. No acumulado de oito meses, o segmento de Cobertura de Pessoas cresceu 14,5%, com forte contribuição da expansão dos Planos de Acumulação VGBL e PGBL, de 15,2%, e dos Planos de Vida – Risco, de 15,6%. A evolução do segmento de Danos e Responsabilidades continua mais contida no ano, atingindo 5,4%. Neste segmento, o ramo Patrimonial, de significativa participação relativa, está entre os destaques, com crescimento de 12,8% no período. Outras contribuições de dois dígitos, pela ordem, foram dos ramos de Seguros Marítimos e Aeronáuticos; de Crédito e Garantias; de Responsabilidade Civil; e o Seguro Rural. O segmento de Títulos de Capitalização subiu 11,5% na base de oito meses acumulados, permanecendo na casa de dois dígitos.

N.F.
Revista Apólice

Brasileiros contratam mais seguros de proteção pessoal

O mercado de seguros pessoais, que engloba produtos como seguro e vida, prestamista, acidentes pessoais, seguro viagem e educacional, entre outros, registrou crescimento de 17,47% em julho frente ao mesmo mês do ano anterior. No total, o mercado contabilizou R$ 4 bilhões em prêmios (valor pago pelos clientes para contratar coberturas para seus riscos pessoais) frente a R$ 3,4 bilhões registrados em julho de 2018. Os dados são da FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), entidade que representa 67 seguradoras e entidades abertas de previdência complementar no país.

No período analisado, as seguradoras pagaram R$ 952,5 milhões em indenizações aos segurados, valor 9,2% maior que o verificado em julho do ano passado (R$ 872 milhões).

O seguro prestamista foi a carteira com o segundo maior crescimento no mês, com R$ 1,2 bilhão em prêmios emitidos e expansão de 28,25% frente a julho do ano passado. A modalidade cobre o pagamento de prestações de compras feitas a prazo pelo do titular da apólice, em caso de morte, invalidez ou perda involuntária do emprego.

“A retomada gradual do crédito somada a uma atitude mais cautelosa do consumidor tem impulsionado o crescimento das operações de seguro prestamista”, avalia Jorge Nasser (foto), presidente da Fenaprevi. “A contratação deste tipo de proteção é fundamental nestes tempos de incerteza na economia e evita que o consumidor perca a possibilidade de financiar suas compras”.

Também tiveram desempenho positivo as carteiras de acidentes pessoais (volume de R$ 542,9 milhões e crescimento de 15,20%), doenças graves e terminais (volume de R$89,57 milhões e crescimento de 23,49%), auxílio funeral (volume de R$ 59,28 milhões e crescimento de 24,89%). Registram expansão ainda as carteiras de seguro viagem, com R$ 61,6 milhões e crescimento de 12,83%; e seguro educacional, com prêmios 3,1 milhões em prêmios e expansão de 4%.

Acumulado Jan-Jul

No acumulado dos sete primeiros meses do ano, o segmento de seguros de pessoas movimentou R$ 26,6 bilhões em prêmios, valor 13,87% maior que verificado em igual intervalo do ano anterior.  O seguro prestamista foi a carteira que movimentou o maior volume de contratações, somando R$ 8 bilhões no período e crescimento de 24,72% no ano.

O seguro de vida em grupo, segunda maior carteira de seguros pessoais, movimentou R$ 6,8 bilhões em prêmios, com expansão de 5,2% no período. O maior crescimento relativo ficou com carteira de seguro de vida individual, com R$ 3,1 bilhões em prêmios e expansão de 62,47%.

Revista Segurador Brasil 

Porto Seguro lança seguro para bikes

Companhia passa a oferecer solução completa de proteção para todos os tipos de bicicleta, além de compreender ciclistas e terceiros

A mobilidade no país tem ganha cada vez mais alternativas e, acompanhando esse movimento, o mercado de bicicletas tem alcançado importantes índices. De acordo com dados da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), a projeção é que a produção de bicicletas neste ano supere em 10,8% a do ano passado, atingindo 857 mil unidades produzidas em 2019.

O Porto Seguro Bike chega ao mercado como uma solução completa que compreende a bicicleta, o ciclista e os terceiros. O seguro, que integra o portfólio da área de Ramos Elementares da Porto Seguro, conta com garantias e serviços pensados para cada tipo de bike e para o perfil de cada cliente, com contratação e simplificada.

 “Acreditamos que o produto além de chegar ao mercado com grande apelo para os ciclistas e apaixonados por bicicletas, também é uma oportunidade de negócio para nossos parceiros corretores. Esse é um produto de bastante impacto no mercado e com grande potencial de comercialização”, destaca Marcelo Santana, gerente de produto da área de Ramos Elementares da seguradora.

Leia mais sobre: Porto Seguro Auto incentiva o trânsito mais gentil em ciclofaixa de São Paulo

Com a aceitação para bikes a partir de R$ 3 mil, o produto é destinado a todos os estilos de bicicleta como urbanas, elétricas, mountain bike, speed, BMX, entre outras, além de acessórios como GPS e velocímetro digital.

A ferramenta garante cobertura para danos a bike, além de coberturas adicionais, como roubo, danos elétricos, responsabilidade civil e acidentes pessoais. O seguro conta também com cobertura de danos e extravio da bike durante viagens aéreas e/ou rodoviárias e a possibilidade de extensão das garantias contratadas para viagens internacionais.

G.R
Revista Apólice