Cada vez mais o sistema de franquias vem ocupando espaços no mercado empresarial por se tratar de uma oportunidade de negócio consolidada que minimiza os riscos na operação e gestão do negócio. Neste sentido, é possível estabelecer condições para pequenos investidores tornarem-se empresários de sucesso.

O índice de mortalidade das franquias nos dois primeiros anos é de 3% segundo a ABF; enquanto 27% das micro e pequenas empresas não atingem essa marca, conforme o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Hoje no Brasil o mercado segurador cresce anualmente mais que o PIB. Com a estabilidade econômica, as classes sociais estão cada vez mais adquirindo produtos e serviços, principalmente a nova e EMERGENTE Classe C brasileira.

A Classe C é líder no consumo de produtos e serviços, como aponta uma pesquisa realizada pelo Data Popular. Os dados mostram que estes consumidores se destacaram no último ano, representando 43% das operações realizadas no país, o equivalente a R$ 242 bilhões. Já as Classes A e B juntas gastaram R$ 343 bilhões, sendo 38,7% do consumo do país.

Os números também surpreendem se comparados a 2002, quando a Classe C consumia 11 vezes menos. Os gastos registrados há oito anos representavam o montante de R$ 21,7 bilhões. Naquele ano, as classes altas detinham 56% do consumo nacional e a classe média 26,9%.